Tudo o que você precisa saber para ser um revendedor gráfico de sucesso

Você já pensou em obter um bom faturamento atuando como revendedor de materiais gráficos? Caso sua resposta seja sim, ou se você achou a ideia interessante, continue a ler este guia, que vai apresentar tudo o que você precisa saber para se tornar um revendedor gráfico de sucesso!

Neste guia você vai ficar sabendo:

  • Como entrar no mercado gráfico como um revendedor;
  • Como definir preços para seu negócio;
  • Técnicas de vendas para revendedores gráficos;
  • Criação de artes e fechamento de arquivos;
  • Tipos de papel, coberturas e acabamentos.

Como começar?

Começaremos este guia falando sobre o que é necessário para se tornar um revendedor gráfico. Esperamos que, ao longo de todo o texto, você enxergue os benefícios que esse mercado oferece e comece a trilhar um caminho ao sucesso!

Disciplina e força de vontade são características essenciais para entrar nesse mercado. Se você possui essas qualidades, o próximo passo é ir atrás de uma estrutura de apoio, composta principalmente por arte-finalistas (caso você não trabalhe com criação) e bons fornecedores.

Atualmente não é mais necessário investir milhares (ou milhões) em equipamentos de impressão gráfica de última geração para obter sucesso nesse mercado. Basta ter uma gráfica online como parceira, ou seja, uma gráfica que produza materiais para revendedores. A ótima notícia é que a produção é terceirizada, mas os produtos podem ser vendidos com sua marca!

Pensando no sucesso de seus revendedores, a Gráfica Paulista é uma gráfica online que fornece os melhores produtos do mercado gráfico e se destaca principalmente por sua qualidade e preço baixo. Em nossa loja online você encontra praticidade ao comprar seus materiais e pode optar por receber os produtos no endereço de sua preferência ou buscar em um dos mais de 360 balcões de retirada espalhados por várias regiões do Brasil (alguns deles com frete grátis).

Tabela de preços e prospecção de clientes

Definida a estrutura de apoio, o próximo passo é montar uma planilha de preços. Nessa etapa, o fornecedor já foi escolhido e você já terá em mãos a tabela com os preços de cada produto.

Uma sugestão para a definição de preços é fazer uma pesquisa local em gráficas de sua região (suas concorrentes) e conferir os valores que elas cobram. Assim você terá uma boa noção na hora de montar sua própria tabela de preços.

Depois de tudo planejado, você pode estar se perguntando: “Enfim, para quem vender?” Respondemos: “Praticamente todo mundo pode ser o seu cliente!” Veja:

  • Pessoas em geral precisam de convites de festa e eventos;
  • Comerciantes precisam de cartões de visita, panfletos, talões numerados e blocos de notas;
  • Profissionais da área da Saúde precisam de receituários, fichas e cartões de visita;
  • Vendedores precisam de pastas e blocos;
  • Restaurantes e lanchonetes precisam de banners, cardápios e embalagens.

Enfim, existem inúmeras oportunidades de venda, entretanto nossa sugestão é que você defina a(s) área(s) de atuação e visite seus futuros clientes, apresentando um mostruário com alguns materiais.

Caso haja respostas negativas, não desanime! Volte depois de um período e ofereça o serviço novamente. Permita-se ser visto e não esqueça de mostrar simpatia!

Técnicas de Vendas

Em praticamente qualquer setor de mercado, o cliente tem em mãos um leque de opções na hora de pesquisar a melhor empresa para adquirir produtos ou serviços. No mercado gráfico não é diferente. O trabalho do revendedor gráfico é fazer com que seu serviço se destaque sobre os concorrentes.

Mas como fazer isso? Confira agora algumas técnicas que você pode utilizar para atrair clientes.

  • A abordagem é a parte em que o vendedor chega até o cliente para vender um produto ou serviço. Mas, antes de propriamente abordá-lo, é preciso fazer uma pré-abordagem. Nessa etapa, o representante deve estudar o consumidor, obter todas as informações básicas, identificar suas necessidades e também descobrir os melhores horários para fazer a abordagem, pois vivemos em um mundo muito agitado, e chegar em uma hora em que a pessoa esteja ocupada pode fazer você perder uma venda.
    Nessa etapa é preciso deixar uma boa impressão, portanto seja educado, tenha um aperto de mão firme, olhe nos olhos do comprador, preste atenção em tudo o que o ele estiver falando (sem interrompê-lo) e faça com que a conversa flua de forma agradável.
  • Depois de estudar seu cliente potencial e abordá-lo, é preciso vender seu peixe, ou seja, fazer uma boa apresentação do produto. Na Gráfica Paulista você encontra o “kit de amostras”, que pode auxiliar muito nessa etapa, pois você irá demonstrar facilmente a qualidade dos materiais, dando mais opções que podem gerar mais vendas. Nesse momento é fundamental que o vendedor tenha amplo domínio sobre os produtos e serviços que oferece, atuando como um consultor, ou seja, transmitindo as informações de que o cliente precisa e ajudando-o a chegar às melhores opções para sua compra.
  • Posteriormente, vem a etapa do fechamento. Aqui, é importante que você mantenha a calma e não seja afobado. Insistir para que o cliente assine o contrato pode ser um grande erro, mas também é um erro esperar que o cliente tome a iniciativa de fechar o negócio. Por isso é necessário passar a limpo os principais pontos da conversa, identificando as dúvidas que restaram (e, obviamente, respondendo-as) e, por último, ter confiança ao conduzir ao fechamento do pedido.

Depois de tantas etapas você não vai querer perder o seu cliente para a concorrência, certo? Então, após alguns dias, entre em contato para ver se o produto teve o resultado esperado e lembre o cliente de que você está à disposição sempre que precisar.

Leia também: Revendedor gráfico: descubra seu perfil de empreendedor

Produção de arte e fechamento de arquivos

Fechou a venda? Ótimo! 🙂

Agora vem o processo de produção de arte, seguida do fechamento de arquivos. É fundamental que esses processos sejam feitos da maneira correta para não haver problemas na hora da impressão.

Quanto a isso, uma das questões que mais gera dúvidas é a diferença nos modos de cor. O CMYK é um padrão de quatro canais de cor (ciano, magenta, amarelo e preto) que, quando combinadas, formam várias outras cores. O padrão CMYK é o mais usado em impressão gráfica, pois todo o espectro de cores pode ser formado por meio da mistura dos quatro canais. Já o RGB é outro modo de cor, porém é usado para exibição de imagens em formato digital, isto é, em monitores de computador, televisores, etc.

Por isso, ao enviar sua arte, verifique se ela está no padrão de cor CMYK para que não ocorram erros na finalização do material.

Além disso, na montagem do arquivo, confira sempre se as margens de segurança, a linha de corte e a sangria estão de modo correto (Na Gráfica Paulista são disponibilizados para download gabaritos de cada produto para serem usados na criação das artes.).

Com as margens de segurança é possível ter uma noção da área do arquivo que não será cortada, ou seja, a área dentro da qual todas as informações importantes devem estar recuadas.

As linhas de corte mostram o local aproximado o seu arquivo será cortado. Não use as linhas para marcar o fim da sua arte e não insira informações nessa área, pois elas possivelmente serão cortadas.

A sangra serve para garantir que o fundo do seu arquivo apareça por completo, por isso, é importante que você estique o fundo da arte até o final da página. Caso isso não seja feito, o produto pode ser finalizado com bordas brancas indesejadas.

Outro detalhe muito importante que você deve prestar atenção é quanto ao preto carregado, pois ele é prejudicial à impressão. Para verificar se o arquivo está com essa tonalidade de cor, faça a soma de todos os canais (a ferramenta conta-gotas ajudará com essa informação). Se a soma ultrapassar 320%, esse preto está carregado e poderá resultar em manchas ou grudar nos outro papéis.

Vamos falar, agora, sobre objetos, que também são muito utilizados na criação de artes. Esses objetos são imagens, fontes, curvas, gradientes, sombreamento, e vários outros, e também necessitam de alguns cuidados para que sejam obtidos os melhores resultados possíveis na impressão. Antes de enviar o arquivos para produção, converta as fontes em curvas. Todos os efeitos e sombreamentos devem ser transformados em imagem/bitmap, e a qualidade dessas imagens deve ser igual ou superior a 300DPIs.

Ao finalizar a criação da arte, salve como PDF/X-1a (formato indicado pela Gráfica Paulista para envio de arquivos).

Tipos de papel e acabamentos

Outra coisa a ser levada em conta pelo revendedor gráfico é saber a respeito de cada tipo de papel e dos acabamentos disponíveis, o que pode acrescentar muito na hora de oferecer produtos aos seus clientes.

Primeiramente vamos falar dos tipos de papéis mais utilizados para impressão:

Couchê: um dos tipos de papéis mais usados em impressão gráfica, o papel couchê recebe uma camada de revestimento com a finalidade de tornar a sua superfície lisa e uniforme.

Supremo: é um tipo de papel mais resistente do que o couchê. Uma de suas faces é lisa, e a outra, mais áspera, tornando possível escrever nessa área.

Supremo metalizado: Possui a frente metalizada e o verso poroso, também permitindo escrita nessa área.

Sulfite: é o tipo de papel branco comum, muito utilizado no dia a dia em impressoras caseiras ou de escritório, mas também em impressão gráfica, na impressão de panfletos, recibos, blocos de notas, receituários, etc.

Reciclato: opção ecológica de reaproveitamento de papéis, é feito de papel reciclado e tem um tom mais próximo do bege.

PVC: plástico não 100% originário do petróleo, destinado a produtos que demandem mais resistência e sofisticação.

Lona: material utilizado para produtos que exigem resistência.

Duplex: tem sua espessura mais grossa que os demais papéis. O verso do papel duplex não recebe nenhum tratamento, podendo ser pardo ou esbranquiçado, e a frente tem uma cobertura branca para receber a impressão.

Leia também: Couchê, Supremo, Reciclato ou Sulfite? Acerte em cheio no tipo de papel!


A partir de agora confira os acabamentos e as coberturas que esses produtos podem receber e que serão um atrativo na hora de oferecer esses materiais.

Coberturas:

O Verniz Total é a aplicação de verniz em toda a extensão do produto, dando um maior destaque aos impressos. Ele pode ser aplicado em diversos tipos de papel.

A Laminação Fosca é a aplicação de uma película plástica bem fina e fosca, proporcionando um resultado atraente ao produto, além de torná-lo mais resistente. Sua utilização é frequentemente combinada com Verniz Localizado.

O Verniz Localizado é a aplicação de verniz em áreas específicas do material, nas quais se quer dar um maior destaque, como logo, nome, endereço, telefone, etc. Ele é aplicado apenas em combinação com a laminação fosca.

O Verniz Cristal é disponível apenas para produtos em PVC. a impressão ganha brilho e contribui para uma maior resistência, pois o PVC normal resulta em uma impressão fosca.

Acabamentos:

  • Furo: pode ser utilizado em vários produtos, e normalmente é feito nos tamanhos 3mm, 5mm e 8mm.
  • Corte Especial: é utilizado para fazer um corte diferente e personalizado no seu material.
  • Dobras: disponível para vários produtos, podem ser feitas 1, 2 ou até 3 dobras, conforme a preferência do cliente.
  • Corte Reto: é utilizado para dividir ou fazer um corte deslocado no material.
  • Vinco: é uma pressão feita no material para marcar o local em que haverá a dobra.
  • Serrilha: é um acabamento com pequenos furos, utilizados para destacar uma parte do material.
  • Cantos arredondados: é um acabamento de corte, que deixa todos os cantos do material arredondados;
  • Dois cantos arredondados: é um acabamento de corte que deixa apenas dois cantos do material arredondados, os outros dois permanecem ângulos retos.

Leia também: Como ser um vendedor criativo

Preparado para começar?

Ficou animado para trilhar um caminho de sucesso como revendedor gráfico?

Saiba que o mercado gráfico é uma excelente oportunidade para iniciar um empreendimento próprio, pois mesmo com pouco investimento é possível obter excelente crescimento e se tornar um empreendedor de sucesso.

Caso já tenha um emprego, também é possível exercer essa ocupação nas horas livres para ganhar uma renda extra. Não há desculpas: se gostou da proposta não perca tempo e comece agora mesmo seu planejamento!

Nós, da Gráfica Paulista, estamos aqui para te ajudar e prestar todo apoio necessário! Que tal dar os primeiros passos ainda hoje? É só fazer gratuitamente seu cadastro clicando AQUI! 😉

             

Deixe o seu comentário Todos os campos são obrigatórios